Brasil

Aécio recebeu propina da JBS escondida em caixas de sabão em pó, diz empresário

Dono de rede de supermercados disse em depoimento que entregou dinheiro em quatro ocasiões a primo de Aécio Neves e a ex-assessor parlamentar; defesa diz que afirmação tem “caráter mentiroso” e empresa nega versão

Aécio Neves se tornou réu por dinheiro de Joesley Batista em abril deste ano

Aécio Neves se tornou réu por dinheiro de Joesley Batista em abril deste ano

Foto: Geraldo Magela/Agência Senado – 5.7.17

Um dos investigados na Operação Capitu, que apura esquema de pagamento de propina da J&F (controladora da JBS) a políticos e a servidores do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) disse que repassou dinheiro escondido em caixas de pó a pessoas ligadas ao senador e deputado federal eleito por Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB).

De acordo com o empresário Waldir Rocha Pena, dono da rede de supermercados BH, ele encaminhou propina, “em nome da JBS”, a Aécio Neves por meio de quatro entregas a Frederico Pacheco, primo do tucano, e a Mendherson Souza, ex-assessor do senador Zezé Perrella (PSDB-MG).

As declarações foram feitas por Waldir em depoimento à Receita Federal, revelado nesta sexta-feira (16) em reportagem publicada pelo jornal O Globo. Após a matéria, no entanto, o advogado que representa o supermercado BH disse que “jamais houve pagamento de valores” ao tucano. “Não procedem as afirmativas feitas pelo sócio minoritário da empresa (sr. Waldir) e jamais houve pagamento de valores a título de propina ou a qualquer outro ao senhor Frederico Pacheco. Estes fatos serão esclarecidos oportunamente aos órgãos competentes”, informou a defesa, por meio de nota.

SAIBA MAIS.:  Receita libera consulta à restituição do IR na segunda-feira

As investigações da Operação Capitu já haviam identificado acordo entre a JBS e a rede de supermercados BH para o pagamento de propina – o que foi confirmado por Waldir. De acordo com a Receita Federal, a organização criminosa se aproveitava do grande fluxo de dinheiro em espécie no varejo para “dar ar de licitude” no repasse de valores ilícitos em dinheiro vivo e em contribuições oficiais de campanha. Waldir chegou a ser preso, mas foi solto no início desta semana após decisão de ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

SAIBA MAIS.:  Mulheres acusam médium João de Deus de abuso sexual

Frederico Pacheco e Mendherson Souza, citados pelo empresário no depoimento, já foram flagrados recebendo dinheiro em nome de Aécio em ocasião anterior, quando o tucano pediu dinheiro ao empresário Joesley Batista para pagar sua defesa em processos da Lava Jato. Frederico, Mendherson e Aécio se tornaram réus em ação penal no Supremo Tribunal Federal (STF) em abril deste ano.

Em nota, a defesa de Aécio Neves negou que ele tenha recebido propina de Waldir Rocha e classificou o depoimento como “mentiroso”. “O senador desconhece o assunto. A total ausência de provas comprova o cárater mentiroso da afirmação. Todas as doações recebidas pela campanha nacional do PSDB em 2014 foram legais e estão devidamente declaradas junto à Justiça Eleitoral

0 comentário em “Aécio recebeu propina da JBS escondida em caixas de sabão em pó, diz empresário

Deixe um comentário