Educação

Aluna de Biologia pesquisa ocorrência de serpentes na macrorregião de Araraquara

Estudo foi um dos premiados no XIII Congresso de Iniciação Científica da universidade

A estudante do curso de Biologia da Universidade de Araraquara – Uniara, Lorenna Rocha Campos, desenvolveu o estudo “Ocorrência de serpentes na macrorregião de Araraquara-SP: o caso da Embraer – Gavião Peixoto”, sob orientação do professor Olavo Nardy. O trabalho foi um dos contemplados pelo “XIII Congresso de Iniciação Científica – CIC” da universidade, na categoria “Originalidade do tema”, em premiação realizada em dezembro.

“A maior parte dos acidentes causados por serpentes peçonhentas é atribuído principalmente àquelas do gênero Bothrops. A espécie Bothrops Alternatus, conhecida comumente como Urutu Cruzeiro, é uma serpente terrestre, de grande porte e corpo robusto. Ela e outros representantes da família Viperidae possuem o mecanismo mais aprimorado de envenenamento conhecido entre as serpentes”, contextualiza Lorenna.

Ela explica que, “com isso em mente, averiguou-se a ocorrência desses animais no perímetro da macrorregião de Araraquara e da fábrica Embraer do município de Gavião Peixoto, registradas pelo Centro Municipal de Controle de Vetores, no período de janeiro de 2015 a abril 2018”. “Assim, o objetivo foi contribuir com o conhecimento sobre Bothrops alternatusquanto à sua distribuição espacial e sua predominância nos locais estudados”, esclarece.

SAIBA MAIS.:  Palestra com ex-participante do Masterchef Brasil

De acordo com a aluna, foram registradas 802 serpentes, distribuídas em cinco famílias e dezenove espécies, capturadas em Araraquara, com o maior índice de captura de serpentes da espécie Bothrops alternatus – 398 indivíduos, sendo 377 capturados na unidade da Embraer. “Dada a importância do assunto, torna-se necessária a ação da empresa no desenvolvimento de melhorias para a precaução de impactos à saúde e segurança de seus funcionários, e ao meio ambiente”, conclui.

SAIBA MAIS.:  Advogado da União pede liberdade com responsabilidade em universidades

Nardy, que orientou a pesquisa, conta que o trabalho foi finalizado, no entanto, “Lorenna continua coletando dados, pois estamos escrevendo um artigo juntamente com uma estudante da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, para ver se existe padrão em relação aos ambientes dessas regiões”.

“É um acúmulo muito grande de Urutu Cruzeiro no local pesquisado, e vamos tentar ver porque esse animal ocorre com tanta densidade nesse ambiente. Além disso, Lorenna pretende fazer mestrado trabalhando nisso, e quem sabe, desenvolver um estudo mais aprofundado sobre o assunto”, finaliza o docente.

Informações sobre o curso de Biologia da Uniara podem ser obtidas no endereçowww.uniara.com.br ou pelo telefone 0800 55 65 88.

x