Educação

Aluna de Design Digital e equipe ficam em segundo lugar em evento de empreendedorismo realizado em Boston

Agora, grupo pede votos para participar, com o projeto, em conferência em Los Angeles

A estudante do curso de Design Digital da Universidade de Araraquara – Uniara, Isabella Franco de Bastos Cirello, juntamente com uma equipe de brasileiros e estrangeiros, ficou na segunda colocação em uma competição voltada ao empreendedorismo, a “TrepCamp”, realizada recentemente em Boston, nos Estados Unidos. Agora, o grupo pede votos, até a sexta-feira, dia 13 de setembro, às 10 da manhã, para que consiga participar, com o projeto, que tem o nome de “Vibe Eletrics”, da segunda etapa do “4 Years From Now – 4YFN”, que será realizado em Los Angeles.

Isabella conta que foi agraciada pelo Programa de Bolsas Santander Graduação Nacional/Uniara, e acabou tendo a oportunidade de “participar dessa imersão em empreendedorismo em Boston”. “Era um simulador empresarial, que ocorreu simultaneamente em seis cidades. Tivemos três semanas para conhecer pessoas de outras partes do mundo, formar equipes e utilizar uma tecnologia emergente de forma inovadora para solucionar um problema global. Ao final desse período, apresentamos o nosso projeto para um seleto grupo de investidores”, relata.

Sua equipe escolheu desenvolver um projeto que visasse à eficiência energética, “para buscar novas soluções na área de energia sustentável”. “Desenvolvemos um produto que converte a energia de vibrações em eletricidade, focando especialmente nas vibrações produzidas por diversos meios de transporte, ou seja, ao instalar o nosso dispositivo em uma linha de metrô, por exemplo, ele produzirá eletricidade quando o vagão passar e fazer o seu ambiente estremecer. Essa energia é, então, devolvida para o sistema elétrico e pode ser usada de imediato. Assim, com essa tecnologia, surgiu a ‘Vibe Electrics’”, explica.

SAIBA MAIS.:  STF homologa acordo de R$ 1 bi para Amazônia e R$ 1,6 bi para educação

O projeto ainda está em andamento. “Precisamos de recursos, tanto financeiros quanto físicos, para podermos desenvolver nosso primeiro protótipo. A partir de toda a pesquisa feita pelos quatro engenheiros do nosso tipo, pudemos calcular uma aproximação da quantidade de eletricidade que o dispositivo pode gerar, e já temos um plano de ação para finalizá-lo. Além disso, recebemos muito feedback positivo de nossos avaliadores e de diversas pessoas que têm visto nosso vídeo – https://youtu.be/zWyTtYxM5wc -, o que garante que estamos no caminho certo para propor uma verdadeira mudança na forma como vemos a produção de eletricidade hoje”, comenta.

Para que o grupo consiga ir à próxima fase da “4YFN”, o público deve votar no projeto pelo link https://bit.ly/2kqVJtW. “É uma conferência para mostrar ao público as tecnologias com potencial para dominar o mercado daqui quatro anos. Agora, fazemos parte de um grupo de 49 times que estão disputando uma vaga em uma conferência internacional de startups. Então, ficar em uma das primeiras posições nos deu muita garra para lutarmos por votos nessa etapa, com a certeza de que temos um projeto sólido e atraente. E para mim, particularmente, foi uma conquista por ter o meu conhecimento e minhas habilidades reconhecidos por pessoas que entendem muito de tecnologia, inovação e de mercado. Com isso, tive a chance de ser a oradora da turma na cerimônia de encerramento, e fui convidada para ser embaixadora do programa no Brasil, para ajudar outras pessoas a viverem a mesma experiência que eu pude viver”, destaca.

SAIBA MAIS.:  Pesquisador da Uniara ministra palestra no XVIII Brazil MRS Meeting

Os interessados na “Vibe Electrics” podem entrar em contato com Isabella e equipe pelo Instagram – @vibe.electrics. “Estaremos disponíveis para tirar qualquer dúvida a respeito do programa e do nosso projeto. Espero muito que a minha experiência motive outras pessoas, e que as faça acreditar que é possível promover mudanças no mundo”, declara.

A professora do curso de Design Digital da Uniara, Adeline Gil, que orienta Isabella em um projeto de iniciação científica – coorientado pelo docente da instituição, André Capaldo Amaral – reforça que “ela e sua equipe criaram um novo projeto: um dispositivo que converte energia de vibrações em energia elétrica, sendo uma fonte de energia promissora”. “Eles ficaram em segundo lugar na competição e agora precisam de votos para conseguirem uma vaga para que esse projeto seja apresentado a um grupo seleto de investidores”, finaliza.

X