Saúde

Benefícios do pilates

Método tem como objetivo principal o fortalecimento do centro do corpo

Método tem como objetivo principal o fortalecimento do centro do corpo

Quando se fala em pilates, boa parte das pessoas assimila a palavra a alguns alongamentos e exercícios usando a bola suíça. No entanto, o método vai muito além disso e conta com vários equipamentos específicos para sua prática. A professora do curso de Fisioterapia da Universidade de Araraquara – Uniara, Christiane Lanatovitz Prado Medeiros, e a ex-aluna da graduação, Verônica Bezerra Caetano, que se especializou na área, falam sobre o pilates e seus benefícios.

“É um método de condicionamento físico e mental, baseado em princípios específicos, que tem como objetivo principal o fortalecimento do centro do corpo, denominado ‘Powerhouse’ ou ‘casa de força’, que consiste na musculatura profunda de abdômen, tronco e pelve. Além disso, outros objetivos são conquistados, como fortalecimento, flexibilidade, consciência corporal, equilíbrio, propriocepção, integração corpo e mente e alinhamento postural”, explica Christiane.

O método, de acordo com ela, é baseado em alguns princípios estabelecidos por seu criador, Joseph Hubertus Pilates, “que, em geral, são mantidos por todas as escolas de pilates”. “São eles: respiração, concentração, centro, controle, precisão e fluidez”, completa.

Verônica reforça que “pilates é sinônimo de qualidade de vida”. “É um conjunto de exercícios de baixo impacto que pode ser feito para reabilitação de algum tipo de lesão corporal, como por exemplo osteoporose, artrite, hérnias de disco e dores de joelho, ou mesmo para prevenir uma possível lesão. Promove também a melhora da coordenação motora e da respiração, que leva a um relaxamento, e tudo isso resulta na melhora da postura”, acrescenta.

Na prática, Christiane conta que, inicialmente, o método pilates clássico era realizado em solo, com o peso do próprio corpo. “Posteriormente, seu criador desenvolveu equipamentos para a prática, usados até hoje. São utilizadas molas como resistência e estruturas deslizantes ou que se movimentam para a realização dos exercícios. Joseph Pilates não previu a inserção de acessórios – ela veio com o pilates contemporâneo. Dentre os acessórios utilizados atualmente, temos: bosu, rolo, disco de rotação, magic circle, over ball e toning ball, entre outros. Os mais conhecidos são a bola suíça e as faixas elásticas”, detalha.

SAIBA MAIS.:  Intolerância ou alergia alimentar? Veja a diferença entre os problemas

Um grupo que se beneficia muito do método, de acordo com a professora, é o de gestantes, “pois ele as auxilia no preparo da musculatura perineal para o parto, além de prevenir e tratar dores comuns da gestação como lombalgias e dores ciáticas, contribuindo para o bem-estar geral da gestante”.

Em geral, a docente comenta que os resultados costumam ser relativamente rápidos, “mas claro que dependem da dedicação e da frequência de seus praticantes”. “Não há nenhuma restrição para o uso da técnica. Qualquer pessoa de qualquer idade pode praticar o pilates. Claro que o profissional deve ter conhecimento técnico para indicar adequadamente os exercícios para cada população específica”, ressalta.

Verônica aponta que “quem pratica o pilates com um profissional de excelência, sabe de sua real importância, percebe os benefícios, sente-se muito bem e valoriza a técnica”. “Porém, há pessoas que não se identificam e não conseguem sentir os reais benefícios, o que é normal, visto que cada pessoa tem suas peculiaridades, preferências e gostos. O importante é se manter em movimento, seja ele qual for”, recomenda.

Ainda assim, a ex-aluna acredita que o pilates tem sido bem difundido e cada vez mais valorizado. “Estamos em uma fase crescente, descobrindo o quanto o movimento e o exercício fazem bem ao corpo e à mente. Nosso corpo foi feito para estar em constante movimento, é a função da nossa musculatura”, diz.

SAIBA MAIS.:  Ebola: Novo caso em cidade grande do Congo aumenta temor de que doença se espalhe

Christiane menciona que o pilates tem sido muito usado nas clínicas de fisioterapia, “tendo também o reconhecimento do Conselho Regional de Fisioterapia – CREFITO, o que têm contribuído para a popularização do método”. “É uma prática compartilhada entre a Educação Física e a Fisioterapia, sendo que, para nós, fisioterapeutas, perante o CREFITO, o método é um recurso cinesioterapêutico, por meio do qual reabilitamos nossos pacientes, seja para controlar a dor, para lhes devolver o movimento ou promover a melhora do movimento. Pode ser realizado diariamente e aplicado tanto em indivíduos que buscam apenas condicionamento físico, como para portadores de lesões ortopédicas, neurológicas, gestantes e idosos, entre outras”, esclarece.  

A professora conta que, no Brasil, o pilates chegou apenas na década de noventa, e que hoje, pode ser encontrado em todos os ambientes. “É ensinado em estúdios particulares, instituições acadêmicas, academias e clínicas, e praticado por diversas pessoas, desde atletas de elite, bem como pessoas com deficiências, em razão de doenças ou lesões, e em diversos grupos etários, desde crianças até idosos”, destaca.

Verônica aproveita para sugerir que as pessoas cuidem mais de seus corpos. “O movimento cura, trata, previne e ajuda; o exercício traz qualidade de vida, bem-estar e ânimo. Vamos arrumar tempo para cuidar da saúde ao invés de cuidar da doença. Se você ainda não pratica nenhuma atividade física, ache uma que o agrade, seja ela qual for, e invista em você”, finaliza.

x