Saúde

Equipes contra dengue programam arrastão e desmentem ‘fake news’ sobre roubo de crachás

Equipes de controle de vetores continuam com trabalho casa a casa

Enquanto aguardam o resultado da Avaliação de Densidade Larvária (ADL), realizada em outubro, as equipes da Gerência de Controle de Vetores, da Secretaria Municipal de Saúde, continuam trabalhando intensivamente no combate à proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue.

A ADL tem como objetivo principal avaliar os níveis de infestação de várias áreas do município de maior importância epidemiológica em cada região. Segundo o Ministério da Saúde, o resultado da ADL de 1,0 à 3,9 já é motivo para o estado de alerta; um resultado superior a 4,0 aponta risco alto de epidemia da doença.

De acordo com o gerente de Controle de Vetores, Luis Eduardo Ursolino Tagliacozzo, serão realizados arrastões em pontos mais críticos e os trabalhos casa a casa continuarão sendo realizados em todo o município, principalmente na zona rural. Ainda segundo ele, foi encerrada a fiscalização nos denominados Imóveis Especiais, que são hospitais, UPAs, escolas e creches. No entanto, estão mantidos os bloqueios em todas as áreas com casos confirmados de dengue.

O desafio é barrar a proliferação do mosquito Aedes aegypti e, para isso, a equipe de vetores conta com a colaboração da população.

“Precisamos da ajuda das pessoas, que precisam ficar atentas aos quintais, fiscalizar os terrenos próximos às suas casas e denunciar àGerência de Controle de Vetores. E, principalmente, a população precisa colaborar facilitando o acesso dos agentes às casas. Sem essa colaboração, corremos o grande risco de caminhar para uma epidemia”, adverte Tagliacozzo.

SAIBA MAIS.:  Saúde faz campanha contra câncer de pele em Araraquara

Arrastão

Como mais uma ofensiva no combate a dengue, a Gerência de Vetores já agendou um trabalho de arrastão dos agentes no próximo dia 26 de novembro, nos bairros Parque São Paulo e Altos de Pinheiros, no horário de funcionamento da Vigilância, que é das 7 às 12 horas. No período da tarde, uma equipe poderá retornar para cobrir as residências que não forem acessadas no período da manhã.

Este trabalho de arrastão será feito durante dois meses em áreas mapeadas como de risco, que tenham um alto numero de casos.

Para combater a dengue, é necessário evitar água parada. É fundamental manter a limpeza de quintais, calhas, vasilhas de animais e caixas d’água, e evitar o acúmulo de água na parte inferior traseira das geladeiras, locais comuns de criadouros. Também é preciso recolher copos, garrafas, latas e pneus velhos descartáveis nos quintais de casa, além verificar vasos de flores, ralos e piscinas, que também acumulam água parada e servem de criadouros do mosquito.

SAIBA MAIS.:  Saúde faz campanha contra câncer de pele em Araraquara

Fake news

O gerente de Controle de Vetores, Luis Eduardo Tagliacozzo, também adverte a população e desmente uma “fake news” que está circulando nas redes sociais sobre um roubo de coletes, crachás e bolsas de agentes que atuam no combate à dengue.

“Está circulando na internet um cartaz que divulga roubo de colete, de crachás e bolsas dos agentes. Isso é mentira e esse tipo de notícia falsa atrapalha demais os trabalhos das equipes, porque a população fica com medo de abrir suas casas para a fiscalização. Por isso, pedimos que as pessoas não compartilhe essa fake News”, enfatiza o gerente de controle de vetores.

Qualquer dúvida ou informação sobre terrenos ou pontos passíveis de proliferação do mosquito da dengue, basta ligar para Gerência de Controle de Vetores, pelo telefone 3303-3123.