Educação

Alunas de Farmácia apresentam trabalho em simpósio de perícia e análise criminal

Apresentação aconteceu no VI SIMPOCRIME, realizado nos dias 29 e 30 de junho, em Ribeirão Preto 

Apresentação aconteceu no VI SIMPOCRIME, realizado nos dias 29 e 30 de junho, em Ribeirão Preto 

As alunas do último ano do curso de Farmácia da Universidade de Araraquara – Uniara, Bruna Nogueira Carlino e Isadora Ferronato apresentaram o trabalho “Análises Toxicológicas das substâncias encontradas no ‘Boa Noite Cinderela’” no VI SIMPOCRIME – Simpósio de Criminal Profiling e Análise Criminal Comportamental, promovido Instituto Paulista de Estudos Bioéticos e Jurídicos – IPEBJ nos dias 29 e 30 de junho, em Ribeirão Preto.

Elas contam que o estudo “tem ênfase nas principais substâncias encontradas no composto ‘Boa Noite Cinderela’, sendo elas: a Cetamina, o GHB e o Flunitrazepam, onde são usadas concomitantemente com álcool em locais onde seu consumo é exacerbado, sendo que o golpista tem como foco as mulheres, público LGBT e pessoas susceptíveis a furtos”.

SAIBA MAIS.:  Universidades reduzem atividades e ameaçam parar no 2º semestre

“Também envolve os mecanismos de ação, sinais e sintomas, riscos de intoxicação, materiais, meios e métodos utilizados para a identificação dos fármacos no corpo da vítima, prezando sempre retirar a vítima dos sintomas de intoxicação, para que a análise seja feita in vivo e não em post mortem”, explicam as estudantes.

Segundo Bruna e Isadora, já há alguns resultados. “De acordo com nossa revisão literária, constatamos que não há um método específico para que se possa analisar concomitantemente os três fármacos mais encontrados no composto, sendo assim, a análise deve ser feita individualmente para cada substância e utilizando um método específico, de acordo com os sinais e sintomas que a vítima apresenta”, completam.

SAIBA MAIS.:  Fatec Araraquara abre nova vaga para docente

Elas ressaltam que a Uniara “teve total colaboração para que pudéssemos escolher o tema, além das nossas aulas de Farmacologia e Toxicologia que foram base para todas as pesquisas, e dos professores que durante toda a duração do curso estiveram dispostos a nos ajudar e sanar dúvidas, sempre incentivando para que pudéssemos dar o nosso melhor”.

A coordenadora da graduação, Thalita Pedroni Formariz Pilon, não esconde a alegria com o feito das alunas. “É uma honra ter um trabalho selecionado, principalmente em simpósio que é voltado à perícia criminal, uma vez que devem ser trabalhos inéditos e de grande relevância na área. É um orgulho poder orientá-las. Essa apresentação mostra tanto o esforço delas quanto a qualidade do curso”, finaliza.

x