Cidade Política

Moradora do Jardim Victório de Santi denúncia bolsão

Denuncia !

Após receber queixas de uma moradora do Jardim Victório de Santi, o vereador Rafael de Angeli (PSDB) esteve no Ponto de Entrega Voluntária (PEV) do bairro na segunda-feira (11) para verificar o funcionamento da unidade. “A moradora me disse que teve dificuldades para fazer o descarte, porque os funcionários não permitiram que ela depositasse todo o material que levou. Vim pedir esclarecimentos e conferir o trabalho do bolsão”, explica o parlamentar.

Ao questionar os funcionários sobre eventuais problemas, a resposta que obteve foi a de que o PEV está funcionando normalmente. “O que acontece, com certa frequência, é que as pessoas tentam descartar materiais proibidos, como gesso, lixo domiciliar e coisas do gênero. Também temos casos em que a pessoa traz as coisas todas misturadas. Aí pedimos que ela as separe aqui ou que retorne com tudo dividido, porque tem um lugar certo para cada tipo de material: os bags para recicláveis, uma caçamba para madeira, outra para vegetação e outra para entulhos, que, em geral, são restos de construção, além dos outros materiais que podemos receber”, informa um funcionário que prefere não se identificar.

SAIBA MAIS.:  Alcolumbre pede agilidade para aprovação de novo Pacto Federativo

Durante a visita do vereador, um caminhão da Cooperativa Acácia de Catadores foi ao local para recolher os recicláveis. “Eles passam todos os dias, evitando o acúmulo de materiais aqui”, explica outro funcionário. Ele acrescenta que o Departamento Autônomo de Água e Esgotos (Daae) envia um caminhão mensalmente para recolher os entulhos e volumosos.

Pouco depois, o morador André Luiz Vicente chega para descartar madeiras e recicláveis na unidade. “Sou usuário antigo desse PEV, venho sempre que preciso e nunca tive problemas, pelo contrário, acho que o serviço funciona muito bem”, declara.

“Pelo que pude constatar, o PEV está funcionando normalmente. Talvez seja necessário divulgar um pouco mais o funcionamento dos bolsões, os materiais permitidos e as quantidades, para que a população os utilize corretamente”, conclui Angeli, que entrou em contato com a moradora para esclarecer suas dúvidas sobre o serviço. “Sabemos que a quantidade de material que pode ser descartado é pequena, mas já existe um diálogo entre a Câmara Municipal e a Prefeitura para aumentar esse volume, facilitando a vida da população.”

SAIBA MAIS.:  Via sem manutenção e sem asfalto gera protestos de moradores do Melhado

Serviço

No site do Daae, encontra-se a seguinte informação: “Os bolsões estão limitados a receber até 0,5 (meio) metro cúbico de entulhos por gerador por mês e até 1 (um) metro cúbico por descarga de resíduos volumosos (madeiras, sofás, móveis em geral, vegetações e podas de árvores), ou seja, o equivalente ao que pode ser transportado em um veículo utilitário ou veículo tipo caminhonete de pequeno porte”. Pneus, resíduos eletroeletrônicos e lâmpadas fluorescentes também podem ser descartados.

Já resíduos domiciliares, industriais, gesso, de serviços de saúde e de oficinas, não podem ser depositados nos bolsões, que funcionam todos os dias, inclusive nos fins de semana.

Informações detalhadas sobre materiais, quantidades, endereços e outras orientações podem ser obtidas no site da autarquia: https://www.daaeararaquara.com.br/residuos-solidos/pontos-de-entregas-de-entulhos.html.

X