Política

Tasso diz que demissão de Cintra pode fazer governo desistir de CPMF

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) comentou...

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) comentou nesta  sobre a demissão de Marcos Cintra do comando da Receita Federal . “Talvez se altere a ideia do governo de propor CPMF, ele era padrinho disso”, disse ao Congresso em Foco.

>“Nova CPMF” cria crise entre Guedes e líderes governistas

No entanto, o tucano afirmou que não é próximo de Cintra e a ainda vai estudar sobre o impacto da mudança da Receita na reforma tributária em tramitação no Senado.

As discussões sobre a reforma tributária dividiram o governo do presidente Jair Bolsonaro e criaram um atrito com líderes na Câmara e no Senado. Há dois grandes conflitos a serem resolvidos: um é a queda de braço em torno da criação de uma nova CPMF, o outro é o impasse na condução da reforma.

Tanto o presidente da Cãmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), se manifestaram duramente contra a ideia do novo imposto.

A ideia da equipe econômica de criar um imposto sobre movimentações financeiras estremeceu a relação entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e lideranças no Congresso. Se insistir na proposta, o governo corre o risco de sofrer uma grande derrota e ver a popularidade do presidente Jair Bolsonaro, já em queda conforme as últimas pesquisas, despencar.

SAIBA MAIS.:  Justiça rejeita denúncia contra Lula e irmão por mesada da Odebrecht

A criação da nova contribuição decorre de uma decisão já tomada pelo ministro: a retirada da tributação da folha de pagamento das empresas. “Nesse ponto, o martelo está batido”, afirmou uma fonte do Ministério da Economia ao Congresso em Foco. Ou seja, o novo imposto viria para compensar as perdas na arrecadação com a desoneração da folha.

De acordo com projeções feitas pela Receita Federal sob o comando de Cintra, o governo poderá arrecadar R$ 1,175 trilhão em dez anos com a criação da nova CPMF. Ainda assim, um valor abaixo dos R$ 2 trilhões que deverão deixar de entrar nos cofres públicos com a desoneração da folha de pagamento.

Inicialmente a equipe econômica estuda propor uma alíquota de 0,22%, que incidiria nas duas pontas da transação financeira: sobre quem paga e quem recebe. A antiga CPMF recaía apenas sobre quem realizava o pagamento.

Leia a nota do Ministério da Economia sobre a demissão de Cintra:

Ministério da Economia comunica pedido de exoneração do secretário especial da Receita Federal

José de Assis Ferraz Neto assume o cargo interinamente

O Ministério da Economia comunica o pedido de exoneração do secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra. Esclarece ainda que não há um projeto de reforma tributária finalizado. A equipe econômica trabalha na formulação de um novo regime tributário para corrigir distorções, simplificar normas, reduzir custos, aliviar a carga tributária sobre as famílias e desonerar a folha de pagamento. A proposta somente será divulgada depois do aval do ministro Paulo Guedes e do presidente da República, Jair Bolsonaro. O ministro Paulo Guedes agradece ao secretário Marcos Cintra pelos serviços prestados. O auditor fiscal José de Assis Ferraz Neto assume interinamente o cargo.

> Reforma tributária: proposta do governo deve mudar no Congresso

SAIBA MAIS.:  Projeto que pode elevar gastos públicos com eleições sai da pauta do Senado

The post Tasso diz que demissão de Cintra pode fazer governo desistir de CPMF appeared first on Congresso em Foco.

Congresso em Foco

0 comentário em “Tasso diz que demissão de Cintra pode fazer governo desistir de CPMF

Deixe um comentário

X